13 junho 2009

a maldade está sempre nos olhos de quem ouve

O velhinho cantor de tango, entre una milonga y otra, gracejava com a senhora sentada na primeira mesa perto do tabladinho de um metro quadrado onde ele e o violonista se equilibravam.

O lugar chamava Boliche de Roberto, que na lapa seria um copo sujo tradicional, só que ainda mais apertado. "Se ruega no escupir en el suelo" - clamava a plaquinha na parede, defendendo os bons costumes do local.

Diante de uma resposta truncada da senhora ao seu último galanteio, o velhinho se vira, os braços abertos para o público amontoado à sua volta, e declama o ensinamento de antigo professor seu:

- Masturbación o dependencia.

3 comentários:

Anna.the disse...

isso foi um fato ou mais uma interessante estória brotada dessa sua cabecinha fértil?!
genial!

mudando de assunto, tenho uma pra você:

A beleza é passageira, mas a feiúra é para sempre.

heheheh

já voltou?!

bjs

Iury disse...

Afinal, o pior cego é aquele que não quer escutar.

angelica duarte disse...

poxa, perdi o galanteio.
tava muito perto da porta.

mas o ensinamento, até consegui acompanhar as risadas.