24 dezembro 2009

2010 foi ótimo. pena que passou tão rápido

Calma, rapaz, que a juventude é um defeito que se supera com um dia de cada vez.

22 dezembro 2009


21 dezembro 2009

antes eu sonhava, hoje eu nem durmo


visões do mesmo

Fui ao psiquiatra. O cara me deu um questionário pra preencher, com perguntas do tipo "você se sente desvalorizado"?, "já pensou em suicídio"?, etc. Cada resposta "sim" pesava um ponto contra mim.

Nunca fui bom pra perguntas de sim ou não. Pior ainda quando são sobre o que sinto ou o que penso. Também nunca confiei em médicos. "Pensar em suicídio no sentido de algo que eu já vi acontecer perto de mim?, no sentido de um desejo, de uma possibilidade, de uma meta?, no sentido do último reduto do meu livre arbítrio?" - eu pensei, mas não existiam essas possibilidades no formulário. Pensei também se existia alguém que não se sentisse desvalorizado nessa sociedade de consumo. Enfim, foda-se. Sim ou não.

Custou caro a consulta, mas ganhei uma amostra grátis de Prozac. Parecia justo. Já no meio da caixinha, sentia que aquelas cápsulas retardavam meu tempo de reação pra vida. Alguém dizia alguma coisa, e eu tinha uma resposta, mas minha boca demorava a se mover. Era uma forma de evitar a impulsividade (vantagem pros destrambelhados, cujo primeiro ímpeto, em geral, não é o mais brilhante), mas minha mente permanecia ansiosa. Não curti a onda e parei com aquilo antes que aprendesse a gostar.

Em outra ocasião fui num terreiro de umbanda. A liturgia era bem diferente da do consultório psiquiátrico, mas a primeira consulta era grátis. O preto velho disse que eu precisava desenvolver a minha mediunidade e me deu uma pedrinha bonita, que era pra eu levar comigo sempre, uma proteção, mas que perdi logo depois.

Em comparação com a idéia de tomar um remédio que me distanciasse do mundo e atenuasse quimicamente minhas dores de consciência, desenvolver a mediunidade me pareceu válido. Mais por considerar todo aprendizado legítimo como forma de gastar a vida, do que por adivinhar o que estaria implicado naquelas palavras. Mas não fui muito além nesse processo também.

Semana que vem vou num culto evangélico neo-pentecostal. Talvez um exorcismo simples e direto resolva melhor minha situação. Só não sei como é a tabela de preços por lá.

16 dezembro 2009

que o medo de mudar nunca me impeça de partir.


garota esperta 7

A garota estava apaixonada. Irremediavelmente apaixonada, (ela pensava).

Neste domingo, na casa de sua mãe, deitada para dormir, ela traça planos para o dia seguinte na escola. Imagina cenas, ensaia palavras e gestos, especulando consequências. O que poderia fazer para se aproximar, qual seria o caminho certo?

Existia nela uma curiosidade e um desejo, mas ela não sabia direito pra onde ia tudo aquilo. Aproximar-se, declarar-se, beijar o menino da escola. Parecia simples. E se não fosse? Tinha medo. Ela não sabia o que ele pensava dela, o que sentia por ela, não sabia qual seria sua reação. Ia doer se ele dissesse não. E nesse limiar de consciência, numa fantasia semi-adormecida, ela imagina o super-poder que resolveria sua situação.

Algo que fizesse o menino ver (sem que ela tivesse que falar) que o que ela sentia era bom, e que ela era uma garota esperta e bonita, e que ela sentia uma dor fechada no peito quando os dois se despediam na escola, mas que abria um sorriso tão grande quando encontrava com ele de novo no dia seguinte, que não tinha como eles não serem felizes juntos. Tudo parecia tão certo. O que faltava para que ele percebesse? Ela imagina um jeito de entrar na cabeça dele, de fazê-lo ver tudo do jeito que ela vê.

E nesse quase-sonho, ela vê sua alma saindo do corpo, viajando entre os prédios e viadutos da cidade, procurando, procurando, até achar a casa do menino e aterrissar lá dentro do coração dele, para que ele sentisse exatamente o que ela sente. Aí a sua alma mostraria para ele o quanto os dois combinavam e quão absurdo era que estivessem separados até agora.

E no dia seguinte, a primeira coisa que ele faria na escola seria beijá-la.

Ela pisca, mansinha, quase dormindo, embalada na certeza de que sua alma está lá, e que amanhã ela volta, trazendo ele junto.

"Mas, peraí", - ela pensa - "se minha alma está lá com ele, quem é que está aqui comigo”? E para onde teria ido a alma dele enquanto a dela está lá? Um corpo não pode ter duas almas, nem uma alma pode controlar dois corpos, ela se assombra.

Ela imagina um tipo de dança das cadeiras, e todas as alminhas expulsas dos seus corpos, revoando como borboletas à procura de um coração vazio pra aterrissar. E se a sua alma se perdesse no caminho e ficasse pra sempre vagando, saltando de uma pessoa pra outra, sem conseguir voltar? E se alguma alma safada e oportunista resolvesse ocupar o seu corpo abandonado? E se a alma do menino da escola estivesse, naquele momento, procurando exatamente o coração dela para pousar?

Foi com esse último pensamento que ela conseguiu adormecer.

15 dezembro 2009

pra não dizer que não falei das flores



14 dezembro 2009

pensabundo


05 dezembro 2009

é provável que talvez, a menos que sei lá

Ainda no intento de contradizer tudo que acredito. Creio ser o que me encanta nas frases curtas e sonoras da sabedoria popular justamente essa capacidade de conjugar, sem constrangimento, o inequívoco e seu oposto.

Foi um camarada de Minas, terra dos adágios, que lembrou desse dito:
"Diga-me com quem andas e te direi quem és".
E mais esses dois, tão verdadeiros quanto o primeiro (me dirão aqueles que já acordaram do avesso), que contradizem direitinho a afinidade e semelhança daqueles que andam juntos:
"Galinha que segue pato morre afogada".
"Pomba que dorme com morcego acorda de cabeça pra baixo".

03 dezembro 2009

recorrente

02 dezembro 2009

pra bom entendedor, meio sorriso basta

Não venha dizer que a vida é dura quando é você que é mole.