24 dezembro 2010

garota esperta 8 - edição de natal

Os embrulhos de presente rasgados e abandonados debaixo do pinheiro de plástico se misturavam às lembrancinhas e brinquedos também esquecidos ali.

O verdadeiro elemento de coesão familiar naquele ano foi a raquete elétrica de matar mosquito.

A mãe procurava as muriçocas com o dedo no gatilho do choque, enquanto sua filha atrás puxava-lhe a calça e dizendo "eu também quero matar, eu também quero matar".

- Agora é a vez da mamãe. - Ela respondia, com um sorriso meio assassino, enquanto fritava na raquete um pernilongo mais gordo do sangue chupado da noite anterior.

Um comentário:

melen disse...

Olá,
gostei dos textos do blog, principalmente as frases de filosofia de parachoque...muito bacana. Vim parar aqui vindo do Canaldonicolau. Tomei a liberdade de copiar um monte e juntá-las num email, vou passar p/ frente, com o devido crédito, claro.

Um gde abraço e, aproveitando, boas festas e muitas boas idéias em 2011

Conrado